• Work Life Balance – Como as empresas podem atingir o equilíbrio?

    Reconhecendo a importância do work life balance ao longo do ano, as empresas devem ter como prioridade o equilíbrio que permita aos seus colaboradores desempenhar as suas funções e agilizar a sua vida pessoal e familiar.

    Chegado o final/início do ano é inevitável não falar sobre work life balance. Ponderar se estamos confortáveis com a nossa rotina e o que podemos fazer para melhorar deve ser, também, uma prioridade das organizações. Auscultar os colaboradores deve ser um processo fácil e confiável de fazer chegar as suas necessidades às chefias para que estas possam promover mudanças ou ações que os satisfaçam. Pois a sua satisfação e equilíbrio entre a vida profissional e pessoal pode significar melhores resultados e menor rotatividade dos colaboradores, logo menor investimento em formação e novos contratações.

    PMEs e grandes empresas podem competir com benefícios e atração de talento

    A disponibilidade financeira e de soluções de grandes empresas face às PMEs pode ser muito díspar, mas não impede as PMEs de corresponderem às necessidades dos seus colaboradores promovendo o work life balance, implementando medidas como estas:

    – Flexibilidade de horários,

    – Apoio através de ações informativas (workshops, formações),

    – Condições especiais em creches (parcerias),

    – Benefícios para pais, tais como parcerias em serviços de entregas ao domicílio,

    – Parcerias diversas de apoio à vida familiar (descontos em engomadorias, limpezas automóveis, etc).

    Para as PMEs pode não ser possível em termos financeiros despender verbas para este fim, contudo podemos pensar a estratégia a seguir na ótica dos pais procurarem qualidade de vida dentro e fora do trabalho para desempenharem as suas tarefas de forma produtiva sem negligenciar o tempo em família e as obrigações. E, claro, apostar nas parcerias.

    Com estas guidelines, cada empresa pode listar uma série de pequenas medidas que podem fazer uma grande diferença na vida dos seus colaboradores, e com isso, melhorar a performance da empresa por ter equipas mais motivadas e comprometidas com os resultados.

    Relembramos que as mulheres ainda têm dificuldades acrescidas nas sociedades atuais pela ideia pré-concebida de que a sua disponibilidade e obrigação para com a família são superiores às dos homens. E este é um desafio adicional das organizações na implementação de uma cultura de work life balance.

    Mas se as PMEs parecem não estar à altura de competir com as grandes empresas nos benefícios atribuídos, a competição pelo talento disponível no mercado é bastante real. É por isso que é muito importante ser crítico enquanto empregador nos benefícios a disponibilizar aos colaboradores para os atrair e manter na organização. E com esta fidelização do talento, promove-se a motivação da força de trabalho, consequentemente, melhores resultados da empresa.

    Mas… as aparências iludem

    Mas a flexibilidade e a facilidade de ficar em casa com os filhos quando estão doentes pode gerar conflitos e é preciso geri-los.

    Estarmos sempre online, sempre contactáveis gera expectativas que nem sempre são colmatadas ou podem ser correspondidas. Não se pode esperar que uma mãe com uma criança de 2 anos que fique em casa por doença esteja disponível para ler o email e responder atempadamente.

    A pressão dos cortes com recursos humanos para fazer face às crises económicas e financeiras no mundo inteiro, afeta o comportamento dos colaboradores quando têm que estar ausentes da empresa ou demorar a responder a um email ou retornar uma chamada. A ansiedade gerada, pela “obrigação” de produzir mais com menos recursos, afeta a sua produtividade e a sua motivação.

    Limites e bom senso continuam a ser necessários, caso contrário, as medidas oferecidas para promover o work life balance podem ser entendidas pelos colaboradores como “aparentes” e o efeito é o oposto, desmotivando e criando um ambiente de desconfiança para com as chefias.

    A aplicação dos benefícios ou facilidades oferecidas deve ser coerente com o princípio dos valores enunciados.

    Outros fatores influenciadores do equilíbrio das famílias

    Não esquecer que além dos filhos, as famílias têm, muitas vezes, idosos a seu cargo e isso também deve ser considerado como fator influenciador da sua qualidade de vida, logo, devem ser incluídos no pacote de benefícios às famílias serviços e parcerias relacionados com os cuidados a idosos, que facilitem a rotina diária ou que poupem dinheiro do orçamento familiar.

    Importa referir que o stress acumulado e da rotina diária das empresas com a constante e crescente pressão para gerar resultados junto dos colaboradores gera, frequentemente, problemas de saúde mental que custam milhões ao Estado através do Serviço Nacional de Saúde, da elevada taxa de absentismo e dos fracos resultados das empresas.

    Posta esta trilogia de Colaboradores, Empresas e Estado, é do interesse de todos que os colaboradores se mantenham saudáveis, que mantenham um bom work life balance, produzindo consistentemente e alavancando os resultados das empresas.

  • Não perca os nossos conteúdos!

    Receba em primeira mão
    os nossos posts

    diretamente no seu e-mail